sexta-feira, 23 de setembro de 2016

thumbnail

CATADOR DE MATERIAL RECICLÁVEL ACHA USD 1.400 E DEVOLVE

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

João mostra a rara honestidade de um cidadão
Chama-se João Rodrigues Cerqueira o rapaz que trabalha de catador de material reciclável em uma cooperativa de Brasília e que achou e devolveu nesta terça-feira (24) a quantia de US$ 1,4 mil (aproximadamente R$ 4.525) achados em meio ao lixo no Distrito Federal. O dinheiro havia sido descartado por engano por uma criança se 7 asnos, que é o cunhado do dono, que não sabia que ele estava dentro de um papel que encontrou enrolado no console do carro do fonoaudiólogo Bruno Temístocles, que havia comprado os dólares na última sexta-feira por cerca de R$ 5 mil, para usá-los em uma viagem que fará  a Europa.
Segundo uma reportagem da TV Globo local, depois de descobrir que a quantia havia sido perdida, Temístocles começou a procurar através de informações e chegou a encontrar o caminhão responsável pela coleta e se dirigiu à cooperativa, que funciona na Estrutural, mas não foi feliz na sua procura, não encontrou o pacote. “Fui à cooperativa e comecei a procurar no desespero. Fiquei de umas 18:30h até 22:00h procurando e não consegui achar.” Mesmo assim, deixou o seu contato no local, para em caso de um eventual achado. Ele conta que ainda não acredita ter conseguido o dinheiro de volta. “Na hora que o catador me ligou falando que tinha encontrado, nossa, eu fiquei muito feliz”, diz.
O catador afirma que, depois de saber que uma pessoa procurava o dinheiro perdido, trabalhou naquele dia com mais atenção, com o objetivo de encontrar realmente a quantia em dinheiro. A surpresa aconteceu na manhã desta terça, quando ele encontrou o montante. Funcionário a seis meses da cooperativa, o jovem João de apenas 20 anos, que recebe salário de R$ 600 por mês com o trabalho, não pensou duas e vezes e numa atitude de honestidade telefonou para o proprietário do dinheiro para devolver.
Mais informações »

terça-feira, 20 de setembro de 2016

thumbnail

REPRESSÃO MATA 50 PESSOAS EM PROTESTO NO CONGO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios


*Roberto Leal

Armas para combater a revolta popular
Ontem pela manhã, dia 19/09, em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC/África), quando acontecia um protesto contra o Presidente Joseph Kabila que, segundo informações, pretende estender o seu mandato, quando adiou as eleições previstas para novembro, para o próximo ano. O protesto levou milhares de pessoas às ruas de diversas cidades. Na capital, o protesto que foi o maio no país, foi barbaramente reprimido com forte violência pela polícia. Até o momento, segundo informações do governo anteriormente davam conta de 17 pessoa mortas, em violentos confrontos, em Kinshasa, mas alertou que o número de mortos poderia aumentar. Os manifestantes resistiram à intensa repressão improvisando barricadas, usando paus e pedras como armas para se defender. Carros foram incendiados. Foram mortos três agentes da polícia nacional, disse o ministro do Interior, Evariste Boshab em uma conferência de imprensa em Kinshasa. O povo ainda não havia se restabelecido do massacre do ano passado, quando dezenas de pessoas morreram em outra manifestação contra o governo.
Há fortes indícios e relatos de prisão de manifestantes e jornalistas na capital de forma ilegal, bem como em Goma e Kisangani, onde também ocorreram protestos. A pressão é para que o presidente Joseph Kabila se afaste do poder quando o seu mandato presidencial acabar legalmente, em dezembro próximo."Estamos protestando porque detestamos aquilo que se passa em nosso país. O presidente Kabila não quer libertar o país e não quer organizar as eleições. É por isso que hoje somos forçados a protestar para mostrar a nossa discordância quanto às eleições. Se Kabila não respeita a constituição, faremos com que ele a cumpra”, declara um manifestante revoltado, em Kinshasa. Joseph Kabila está no poder desde 2001, portanto 15 anos. O povo clama por uma renovação. Os atos de violência dessa segunda-feira passada, veio com uma proporção maior que o de janeiro de 2015, quando as forças de segurança reprimiram manifestantes após outra manifestação de oposição ao Governo, onde dezenas perderam, suas vidas. O povo ainda não tinha nem se restabelecido desse massacre. Os Estados Unidos já ameaçaram sanções contra figuras políticas no Congo devido as freqüentes manobras para prorrogar governo, provocando atraso nas eleições.

Fonte: ASCOM/Revista Òmnira
Foto: Divulgação
Mais informações »

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

thumbnail

MORRE AFOGADO "SANTO" DA NOVELA O VELHO CHICO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

Domingos Montagner morre no auge da carreira
Morreu hoje (15/09 quinta-feira) Domingos Montagner, o Santo da novela "Velho Chico", da TV Globo. Equipes de busca e salvamento localizaram o corpo do ator de 54 anos, foi encontrado preso entre duas pedras, a 18 metros de profundidade e a 320 metros do local, perto da Usina de Xingó, na Região de Canindé de São Francisco/SE. Domingos deixa a mulher, a também atriz e produtora Luciana Lima e três filhos: Leo, de 13 anos, Antônio, de 9, e Dante, de 5. Ele tinha gravado cenas da novela na parte da manhã. Quando terminou a gravação, o ator almoçou e, em seguida, foi tomar banho de rio, acompanhado da atriz Camila Pitanga, quando foi levado pela correnteza. Durante o mergulho, não voltou à superfície.  A atriz que estava também no local, avisou à produção, que iniciou imediatamente as buscas. Helicópteros do Grupamento Tático Aéreo da Policia Militar, e homens rãs do Corpo de Bombeiros, como também pescadores ajudaram nas buscas. Esta semana, a novela também teve cenas gravadas em Piranhas /AL.

O ator que era paulistano começou sua carreira artística trabalhando no teatro e em circos. Ele atuou em treze programas de TV, entre séries e novelas, além de nove filmes. Alguns papéis de destaque foram o Capitão Herculano Araújo de "Cordel Encantado"  de 2011 e o presidente Paulo Ventura de "O brado retumbante" de 2012. Ele também se destacou no papel de Zyah em "Salve Jorge" de 2012 e como João Miguel em "Sete Vidas” de 2015. O ator estava no ar como o líder de cooperativa Santo em "Velho Chico”, sucesso atual do horário nobre da Rede Globo de Televisão.

Montagner conta, em seu site oficial, que iniciou sua carreira no teatro, através do curso de interpretação de Myriam Muniz, e no Circo Escola Picadeiro. Em 1997, formou o Grupo La Mínima, com Fernando Sampaio. A Noite dos Palhaços Mudos, de 2008, lhe rendeu o Prêmio Shell de Melhor Ator. Em 2003, criou o Circo Zanni, do qual foi diretor artístico. O primeiro papel na TV foi no seriado "Mothern" de 2006, do GNT, canal da TV por assinatura. A estreia na Rede Globo foi também em seriados: "Força Tarefa", "A Cura" e "Divã". A primeira novela, "Cordel Encantado", foi em 2011. No ano seguinte, estreou no cinema, com uma participação no longa metragem "Gonzaga - de Pai Pra Filho", do diretor Breno Silveira.

Após a notícia da morte do ator, todo elenco entrou em estado de choque e as gravações foram suspensas. O corpo foi retirado do fundo das Águas do rio São Francisco e aguarda remoção para o IML- Instituto Médico Legal.

Foto: Divulgação
Mais informações »

domingo, 11 de setembro de 2016

thumbnail

OBRAS LITERÁRIAS DO BRASIL TEM CABO VERDE COMO PALCO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios


Um livro para se carregar na bolsa
O jornalista, escritor, editor da revista brasileira de Literatura “Òmnira” e presidente da UBESC – União Baiana de Escritores, o brasileiro Roberto Leal; chega a Cabo Verde/África, no próximo mês de outubro, quando ministrará a palestra “A Importância do Incentivo a Leitura no Ensino” para professores, estudantes, poetas, escritores e interessados; promoverá visita a escolas e universidades; fará doação de livros infantis de autores baianos/brasileiros; lançará obras literárias e apresentará uma exposição de publicações em livros e revistas africanas produzidas pela Editora Òmnira, de Salvador, da Bahia, Brasil.

Roberto Leal que é autor de vários livros lançará sua obra de maior sucesso “C’alô & Crônicas Feridas” que está na 3ª edição, um livro de poesias e crônicas do cotidiano de um cidadão socialista; será lançada também a edição número 12 da revista Òmnira com trabalhos publicados de escritores de: Angola, Brasil, Moçambique e Cabo Verde. O projeto faz parte do intercâmbio desenvolvido pela UBESC e Revista Òmnira, com os países de África de língua portuguesa; como também estará coletando contatos de escritores contemporâneos que estejam interessados em ver suas obras publicadas no Brasil.

Uma porta aberta para contemporâneos
A revista Òmnira homenageia o líder negro sul-africano Nelson Mandela, retratado exclusivamente em ilustrações de capa e para matéria interna pelos artistas plásticos moçambicanos João Timane e Pinto Zulo; trazendo ainda nas suas páginas a trajetória poética cabo-verdiana nas poesias do poeta revolucionário guineense Amilcar Cabral e mais: poesias, contos e crônicas de escritores novos de Angola, Brasil e de Cabo Verde a exemplo de Eduardo Tchandja, Ismael Farinha e Blandine Klander (Angola) e Carlos Fortes Lopes, Daí Varela, Gilson Ferreira e Macrina Alfama (Cabo verde) dentre muitos outros.  Recém-chegado de Angola Roberto Leal leva para essa turnê que deve acontecer em Praia e Boa Vista, tudo que ele tem disponibilizado para que novos talentos literários possam surgir na CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e principalmente do PALOP - Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

Roberto Leal é um convidado da SOCA - Sociedade de Autores Cabo-verdianos. “O importante tem sido a garimpagem internacional de talentos perdidos, onde no nosso intercâmbio, eles têm o rumo a seguir e o apoio necessário para poderem surgir, saindo do anonimato”, comemora Roberto Leal o sucesso do projeto. Òmnira quer dizer "Liberdade" em yorubá, dialeto falado na Nigéria e que foi adotado pelo Brasil na região da Bahia, principalmente por entidades negras.
Mais informações: +55 71 986888096 (watsap), lealomnira@yahoo.com.br ou ainda www.fundacaoomnira.com.br

Fonte:ASCOM/Revista Òmnira


Mais informações »

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

thumbnail

NELY LUCAS ESTRÉIA COM CONCERTO EM GRANDE ESTILO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

O Show Man Gospel de Angola
O poeta e também cantor gospel angolano Nely Lucas se apresenta nesse domingo (04/10), a partir das 15 horas, no Cine Ginásio, na província do Uige, in Angola, quando estréia profissionalmente realizando o seu primeiro show , o espetáculo é batizado de “Gospel e Amigos". O Concerto Gospel (como chamam em Angola) terá ainda como convidados, as participações especiais de músicos da capital: Luanda, como também as verdadeiras pratas da casa – do Uige, entre eles: Jordânia Cunha e Marina Levita, Ama Gospel, Dala da Sila, Zacarias Kuta, Maravilha do Senhor, Vozes Celestes e os meninos do Grupo Vozes Sagradas, dentre muitos outros.
Esse concerto surge num momento muito importante da minha vida, um sonho de meu pai que já não se encontra vivo entre nós, desde o ano passado... Depois de muita luta eis o resultado da persistência, novas lutas, e a primeira vitória... É o meu primeiro grande concerto a pedido de todos que apreciam músicas pra alma”. Comemora Nely, quando perguntado de qual a importância desse concerto na sua vida.
O cantor que diz carregar nas suas canções mensagens de fé, amor ao próximo, esperança para aqueles que não têm onde cair morto; os órfãos; os presos nos vícios; se diz um conselheiro humanitário e que tem como lema “lutar até ao fim”. Ele espera um silêncio, a paz interior de cada um dentro do cine, porque as músicas elevam n’uma dimensão espiritual muito alta, apagando as dores da alma, transportando sentimentos e só viver o canto. “Dessa forma espero que o público se reveja nas mensagens musicadas”. Festeja muito otimista o cantor.

Nely Lucas vai apresentar as faixas musicais, num total de 12, que vão compor o repertório do seu primeiro álbum, que o público poderá ter brevemente. Os dois maiores sucessos de Nely Lucas mais cantados e tocados aos quatro cantos da evangelização angolana, são: a música carro chefe do CD “Ser Criança”, é quando nos apresenta uma balada gospel altamente envolvente e “Ondas da Vida” é como levar a realidade vista pelos olhos da alma de quem canta com o coração, tendo o acompanhamento da fé. “Todos aqui clamam por essas duas músicas, por estarem repletas de realidades sobre a vida de muitos”. Afirma o também poeta, que no maior dos seu índice de humildade, se considera um marinheiro em sua primeira viagem.

Esse é um dos maiores talentos a caminho do sucesso na música gospel angolana, devido a sua versatilidade a caminho da perfeição, seja na poesia ou na música, procurando levar o melhor ao seu cativo e seleto público de ambas as vertentes culturais.
Mais informações »

sábado, 27 de agosto de 2016

thumbnail

DITADOR DO ZIMBABUE MANDA PRENDER ATLETAS OLÍMPICOS

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

Robert Mugabe indignado com a Equipe Olímpica
O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, instruiu o Comissário Geral da República Zimbabuana , Augustine Chihuri, a prender e deter toda a equipe Olímpica imediatamente assim que chegassem ao Aeroporto Internacional de Harare, na última terça-feira, 23 de Agosto, noticiou o pmnewsnigeria.
A República do Zimbabué, que foi representada por 31 atletas, está na lista dos países que não ganhou nenhuma medalha nos Jogos Olímpicos do Brasil, a melhor colocação foi um oitavo lugar que rendeu um diploma.  Mugabe, que está indignado com o desempenho da equipe ordenou ao chefe da polícia para prender todos os membros da equipe e detê-los. De acordo com a televisão nigeriana NTA, Robert Mugabe teria mesmo apelidado os atletas de ratos:  “Perdemos dinheiro do país por esses ratos que chamamos de atletas. Se você não está pronto para sacrificar e ganhar pelo menos a medalha de bronze, por que você foi ao jogos olímpicos gastar o nosso dinheiro?”, disse.
Outros países de África também amargaram essa lista como: Angola, Botsuana, Burkina Faso, Cabo Verde, Camarões, Congo e Gana dentre tantos outros, que não sofreram da mesma penalidade que os atletas Zimbabuanos. “Nós não precisávamos de pessoas que apenas queriam ir para o Brasil cantar o nosso hino nacional e içar a bandeira. Se fosse isso nós teríamos enviado algumas das belas raparigas e rapazes bonitos da Universidade do Zimbábue para nos representar.” Mugabe acrescentou que, o dinheiro investido na equipe para representar o país poderia ter sido usado para fornecer instalações e construir escolas.

O ditador socialista Robert Mugabe comanda o Zimbábue há 36 anos, tendo destruído a economia do país com medidas socialistas como um amplo confisco de terras agrícolas para fazer “reforma agrária” e a impressão desenfreada de dinheiro que culminou com a dolarização da economia do país. “Eu vou ter a certeza que eles pagam ao governo o investimento que fizemos neles, nem que leve 10 anos a recuperar. Eles visitaram o Brasil como turistas, são uns inúteis”, concluiu.
Mais informações »

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

thumbnail

A LÍNGUA DO BRASIL É O PORTUGUÊS BRASILEIRO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

Os nossos maiores símbolos nacionais: bandeira e língua
O Brasil é o único país da CPLP - Comunidade de Países de Língua Portuguesa que fala e escreve o seu próprio português, portanto carregando quase que nenhuma influencia cultural dos colonizadores, a não ser um pouco de uma história mentirosa de descobrimento que ainda se ensina nas escolas e que deve ser revista e reconsiderada; se compartilharmos da opinião de muitos brasileiros de que não se descobre onde já se está habitando...
O português brasileiro tem forte influência do Latim, das línguas indígenas e das línguas africanas, outras culturas linguísticas tiveram sua contribuição em uma escala muito pequena ligada mesmo as linguagens consideradas: vulgar; chulas; como gírias e pejorativas como os palavrões. O Português brasileiro é falado por mais de 190 milhões de pessoas, dentro e fora do território brasileiro, o que torna a variante mais falada do Português, além de mais lida e mais escrita do mundo.
Em 1500, os cercas de 5 milhões de indígenas de diferentes raças e tribos que aqui viviam, divididos em mais de 1.500 povos, falavam em torno de mais de 1.000 línguas; em 1580, começa a ser registrada a Língua Geral Paulista, difundida por padres jesuítas e bandeirantes; em 1700, surgem os primeiro registros da Língua Geral Amazônica, de base indígena “Tupinambá” e do Dialeto de “Minas” trazido pelos escravos africanos, uma mistura de Português com Evé-fon originário de Gana, Togo e Benin; hoje a Constituição garante a preservação dos dialetos de grupos indígenas e dos remanescentes de Quilombos.

A língua “Português brasileiro” sofreu diversas influências por diferentes povos e até os dias de hoje vive uma constante evolução da sua diversificação do idioma. A única lembrança que dizem os brasileiros que ficou dos colonizadores, foi esse “jeitinho brasileiro de querer levar vantagem em tudo” e o que não é bem visto pelos próprios brasileiros praticantes da ética social.
Fonte: ASCOM/Revista Òmnira
Foto: Divulgação
Mais informações »

quinta-feira, 28 de julho de 2016

thumbnail

I CONCURSO KUTANGA DE POESIA - 2016

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

 REGULAMENTO/NORMAS/REGRAS

Movimento Literário Kutanga de Angola/África
1-Só será permitida a participação de poetas angolanos (vetada a participação de estrangeiros). Cada autor deverá participar apenas com 1 (uma) poesia, de até 30 versos/linhas, com título e identificada pelo nome de registro. A poesia deve ser digitada, devidamente revisada (erro de português leva a desclassificação) e entregue em CD junto com foto de perfil, dados biográficos e cópia do BI.

2- Serão publicados os 10 primeiros colocados na próxima Edição da revista de Literatura Òmnira (Brasil) e terão direito a 1 (um) exemplar da publicação e certificado expedido pela UBESC - União Baiana de Escritores. Não terão premiação em dinheiro/valores.

3- As poesias serão julgadas pelo Conselho Editorial da Revista Òmnira/no Brasil. Julgamento  esse que é irrecorrível, e o envio do material e o pagamento da taxa de inscrição acarretam na aceitação do regulamento.

4- As inscrições poderão ser feitas com os Coordenadores do Movimento Literário Kutanga, em Angola. De 1 de agosto a 1 de setembro de 2016.
Em Luanda: o poeta e teatrólogo Blandine Klander 926346141 / 912671330 ou e-mail: bklander2@hotmail.com; no Uige: o poeta Garcia Pedro Teleka 931811573 ou e-mail: teleka65@gmail.com e na Huila: o poeta Deusdedith Manuel 923756073 ou e-mail: mussanhay@hotmail.com

5- Taxa de inscrição de: Kz 1.500
(Em caso de desistência não será devolvida taxa de inscrição).


6- I Concurso Kutanga de Poesia - 2016. Esse concurso de incentivo, tem o objetivo de fortalecer o trabalho literário que vem desenvolvendo, como também promover a parceria Movimento Literário Kutanga em Angola/África e Bahia/Brasil e que terá o apoio da UBESC - União Baiana de Escritores & Revista Òmnira/Brasil, no fortalecimento do intercâmbio das entidades com os membros do PALOP-Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

7- A realização é do Movimento Literário Kutanga/Angola. Tem a coordenação do jornalista, escritor e editor brasileiro Roberto Leal e a seleção do material do poeta e escritor angolano Garcia Pedro Teleka.
Mais informações »

thumbnail

PRIMEIRO HOMEM A PISAR O POLO NORTE FOI UM NEGRO

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

 Henson foi o primeiro homem a pisar o Polo Norte
“Acho que sou o primeiro homem a sentar no topo do mundo”, comemorou Matthew Henson em 6 de abril de 1909. Estava no Ártico, coberto de gelo, e comunicava o feito a Robert Peary, o chefe da expedição que tentava conquistar pela primeira vez o Polo Norte. Havia chegado 45 minutos antes de Peary, um capitão de fragata conhecido pelo seu despotismo e sua falta de escrúpulos. Henson, um órfão de família pobre que só aprendera a ler aos 12 anos, antecipou-se a um militar de alta patente. E ainda por cima era negro.
“Peary deitou chispas pelos olhos”, recordou Henson anos depois. Entretanto, o branco passou à história como o conquistador do Polo Norte e foi enterrado com honras militares sob um impressionante monumento no Cemitério Nacional de Arlington, em 1920. O negro, como os quatro esquimós que os acompanhavam, foi rapidamente esquecido. Encontrou emprego no Departamento de Alfândegas, depois de trabalhar num estacionamento, e acabou enterrado quase como indigente num cemitério do Bronx, em Nova Iorque, em 1955.
Em 6 de agosto completam-se 150 anos do nascimento de Matthew Henson, para muitos o primeiro ser humano a colocar os pés no Polo Norte. Nasceu em Maryland, em 1866, um ano depois da abolição da escravidão dos negros nos EUA. Aos 12 anos, órfão e sem ter jamais pisado numa escola, foi até a um navio mercante no porto de Baltimore e, segundo a sua biografia oficial,Dark Companion (“companheiro escuro”, 1947), disparou para o capitão: “Meu nome é Matthew Alexander Henson e quero ir para o mar”.
Naquele navio o menino aprendeu a ler e a escrever. Prosperou. Arranjou um modesto trabalho numa loja de Washington, e ali, em 1889, conheceu Robert Peary, que já havia comandado expedições de exploração da Groenlândia sobre trenós puxados por cães. Nasceu uma amizade. Um ano mais tarde, Henson, com 24 anos, entrou para a sua primeira missão, que percorreu o norte da grande ilha. Na década seguinte, estiveram juntos em diversas expedições, num total de 15.000 quilómetros sobre o gelo da Groenlândia e Canadá, segundo a contagem da National Geographic. Era o aquecimento para a conquista do Polo Norte, que alguns pesquisadores hoje colocam em dúvida.
Os inuits (como hoje são chamados os esquimós) Ootah, Egingwah, Seegloo e Ookeah, participantes na expedição, louvavam as habilidades de Henson para caçar, dirigir os cães e balbuciar o seu idioma. “Era mais esquimó que alguns deles”, brincou Peary. Na sua autobiografia de 1912, intitulada Um Explorador Negro no Polo Norte, Henson elogiou o senso de humor dos esquimós e a sua capacidade de trabalho. “É verdade que os esquimós são de pouco valor para o mundo comercial, devido provavelmente ao seu isolamento geográfico, mas estas mesmas pessoas iletradas e por civilizar prestaram uma valiosa ajuda no descobrimento do Polo Norte”, escreveu. E acrescentou: “A limpeza dos esquimós deixa espaço para muitas melhoras”.
A suposta sujeira dos inuits não devia ser tão repulsiva assim. Em 1986, o pesquisador americano Allen Counter viajou à Groenlândia numa missão científica e encontrou dois esquimós octogenários mestiços. Um tinha mistura com branco, e o outro com negro. Aqueles dois anciões eram os dois filhos que Peary e Henson tiveram furtivamente com duas mulheres esquimós. Counter, professor da Universidade Harvard, anunciou ao mundo a existência de Anaukaq Henson e Kali Peary. E levou-os em maio de 1987 para realizar o seu sonho: conhecer o lugar de nascimento dos seus pais e visitar os seus túmulos.
Counter, também explorador negro, tem uma biografia épica. Em 1993, descobriu o único quilombo de escravos africanos nos Andes equatorianos. Como professor de neurologia em Harvard, visita os povos indígenas da América Latina para investigar os efeitos das intoxicações por chumbo e mercúrio nas crianças que trabalham nas minas de ouro ou reciclam baterias de carro.
Em 1988, Counter utilizou o seu carisma para convencer o então presidente dos EUA, Ronald Reagan, a transferir os restos de Henson para o Cemitério Nacional de Arlington, junto com os de Peary e outros heróis da história norte-americana, incluindo os sete astronautas mortos no acidente da naveChallenger um ano antes. “Naquele dia histórico [6 de abril 1909], foi Henson, um afro-americano, o primeiro a chegar ao Polo e a fincar a bandeira norte-americana”, diz a sua biografia no cemitério do Departamento de Defesa dos EUA.
Entretanto, existem dúvidas de que Henson, Peary e os quatro esquimós realmente chegaram ao Polo Norte. A organização Guinness World Records recorda que a Real Sociedade Geográfica da Grã-Bretanha respaldou durante o século XX a vitória da expedição de Peary frente à do também norte-americano Frederick Cook, que afirmou, aparentemente de forma falsa, que havia chegado lá um ano antes. No entanto, a Real Sociedade Geográfica hoje em dia não apoia nem Peary nem Cook.
A Sociedade Geográfica Nacional dos EUA patrocinou a expedição de Peary, mas em 1989 concluiu, após analisar documentos e as sombras das fotos, que ele na verdade parou a cerca de oito quilómetros do Polo Norte. A velocidade da equipe no regresso, muito mais célere do que na ida, também despertou suspeitas, apesar de em 2005 os aventureiros Tom Avery e Matty McNair terem repetido a viagem de Peary e Henson no mesmo tempo, sugerindo que isso era possível, apesar das grandes diferenças entre as duas expedições.
Provavelmente nunca se saberá se Henson, um negro que roçou a era da escravidão, foi realmente o primeiro ser humano a pisar no Polo Norte. Mas, seja como for, a sua vida merece reconhecimento. No ano 2000, Henson recebeu postumamente a medalha Hubbard, o maior prêmio da Sociedade Geográfica Nacional, reservado aos heróis da exploração. As mãos brancas de Robert Peary haviam recolhido a mesma medalha em 1906. Quase um século antes.
Fonte: El Pais
Foto: Divulgação
Mais informações »

thumbnail

TURQUIA PRENDE JORNALISTAS E ESCRITORES SUSPEITOS DE APOIAR GOLPE

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios


O maior alvo foram ex-funcionários de jornal encampado pelo governo e que, até então, era associado ao clérigo Fethullah Gülen, que Ancara aponta como mentor da recente tentativa de golpe de Estado. Autoridades turcas emitiram nesta quarta-feira (27/07) mandados de prisão para 47 antigos executivos e jornalistas do jornal Zaman, como parte da investida contra suspeitos de apoiar o clérigo islâmico Fethullah Gülen. O religioso que vive nos Estados Unidos é acusado por Ancara de estar por trás da tentativa de golpe militar de 15 de julho na Turquia.
Tayyip Erdogan, presidente da Turquia
Ao menos um jornalista, o ex-colunista Sahin Alpay, foi detido em sua casa na manhã desta quarta-feira, segundo a agência de notícias estatal Anadolu. O jornal, que já foi ligado ao movimento religioso de Gülen, está sob tutela estatal desde março, quando adotou uma linha pró-governo. Alpay e outros jornalistas na lista de alvos do governo são conhecidos por seu ativismo de esquerda e não compartilham da visão religiosa de mundo do movimento gulenista, o que aumenta as preocupações de que a investigação pós-golpe esteja se transformando n’uma caça aos oponentes políticos do presidente Recep Tayyip Erdogan. Alpay, assim como outros colunistas e jornalistas do Zaman, não pertencem ao movimento, mas escrevia no jornal porque era o único grande espaço de crítica ao governo que havia restado, assim como o canal de TV do Hizmet, também fechado. O Zaman declarava ter uma circulação de 1 milhão de exemplares. No total, segundo o Hizmet, foram emitidos até agora mandados de prisão contra 187 jornalistas.“Não cometi crime nenhum, não sei por que estou sendo detido”, disse Alpay, de 71 anos, ao ser levado pelos policiais de sua casa.
Entre as pessoas procuradas pela justiça estão antigos chefes de redação do Jornal Zaman, são eles:  Abdulhamit Bilici, Sevgi Akarcesme e Bulent Kenes, segundo o jornal Hürriyet. A agência estatal de notícias Anadolu afirmou que a lista de jornalistas inclui o proeminente escritor Nazli Ilicak, um dos críticos do governo do presidente Recep Tayyip Erdogan. 
No início de ano, o poder turco colocou sob sua tutela o então oposicionista Zaman, que tinha uma tiragem de mais de 650 mil exemplares e era considerado pelo governo o "porta-estandarte da imprensa favorável" a Gülen. No início desta semana, a Turquia emitiu mandados de prisão contra outros 42 jornalistas, dos quais 16 já foram detidos para serem interrogados. No total, Ancara já prendeu mais de 13 mil pessoas depois da tentativa de golpe, incluindo militares e juízes. Dezenas de milhares de funcionários públicos suspeitos de ligação com Gülen foram suspensos, de setores como a Educação e Saúde. Gülen, que coordena uma rede global de escolas e fundações, negou repetidamente que tenha qualquer envolvimento na tentativa de golpe militar, que deixou 290 mortos.
Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, os militares turcos afirmaram que até 35 aeronaves de guerra, 37 helicópteros, 74 tanques e três embarcações da Marinha foram utilizados pelos golpistas. Ao menos 8.651 militares teriam participado da tentativa de derrubada do governo, o que representa 1,5% das Forças Armadas.

O presidente da Comissão Européia, Jean Claude Juncker, lembrou que as negociações do bloco com a Turquia envolvem justiça e liberdade de expressão e que, do jeito que está o país não vai entrar tão cedo na União Européia. O ministro das Relações Exteriores da Turquia  Mevlut Cavusoglu rebateu, dizendo que: “Juncker não manda na Turquia”.

A Anistia Internacional afirma já ter recebido relatos de presos sem direito a água e comida, que estão sendo vítimas de tortura e até de estupro na cadeia. A organização pede mais acesso de médicos, advogados e parentes aos presos.
Foto: REUTERS/Umit Bektas
Mais informações »

terça-feira, 26 de julho de 2016

thumbnail

REVISTA BRASILEIRA ABRE PORTAS PARA ESCRITORES CABOVERDEANOS & GUINEENSES

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

Barack Obama que tem origem queniana

A revista brasileira de Literatura ÒMNIRA está oferecendo oportunidade a jornalistas, escritores (as) e poetas contemporâneos cabo-verdianos e guineenses de publicar nas suas páginas, na edição número 13, que homenageará o líder negro norte americano Barack Obama, retratado na capa em ilustração do artista plástico brasileiro André Soares Monteiro. Uma oportunidade para colaboradores que almejam publicar seus textos e trabalhos literários em uma publicação que vem despontando no cenário literário internacional. A publicação homenageia a cada edição um líder negro de reconhecida LUTA, já foram eles: Castro Alves (Brasil - que não era negro), Agostinho Neto (Angola), Samora Machel (Moçambique) e Nelson Mandela (África do Sul).

A revista é parte do projeto de intercâmbio desenvolvido pela UBESC - União Baiana de Escritores & Revista Òmnira (de BAHIA-Brasil), com os países de África de língua portuguesa e tem circulação participativa de: Angola, Brasil, Moçambique, Cabo Verde e Moçambique, nessa edição além do consagrado poeta revolucionário guineense Amilcar Cabral, teremos outros autores contemporâneos da PALOP – Países Africanos de  Língua Oficial Portuguesa (acrônimo)
é a expressão usada como referência aos países africanos que têm a língua portuguesa como oficial, são eles: Angola, Cabo verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe  e a também Guiné Equatorial (que recentemente adotou o idioma).  O objetivo do intercâmbio é visitar todos esses países levando a oportunidade de publicar aos escritores contemporâneos garimpados pelo projeto com a avaliação do jornalista e editor Roberto Leal e fazendo o surgimento de novos valores da literatura africana.

O material pode ser artigo, resenha de livro, contos curtos, crônica ou poesia (2), deve ser acompanhado de dados biográficos e foto de perfil do autor, que passará por um processo de seleção. A publicação deve chegar a Cabo Verde em outubro quando o jornalista e editor Roberto Leal estará em Praia, Fogo e Mindelo promovendo diversas atividades culturais como: ministrar formação e palestra, entregar doação de livros e lançar obras literárias, além de fazer uma exposição de obras de literatura africana de língua portuguesa da Editora Òmnira do Brasil. Mais informações e envio de material: lealomnira@yahoo.com.br ou www.fundacaoomnira.com.br, ainda +55 071 98688-8096 (Watsap).


Fonte: ASCOM/UBESC
Mais informações »

sábado, 23 de julho de 2016

thumbnail

ESCRITORA MIRIM DIZ QUE MENINAS NEGRAS PODEM SER PRINCESAS

Postado Por Roberto Leal  | Sem Comentarios

Escritora mirim, seu pai e obra a quatro mãos
A garotinha norte americana Morgan Elizabeth Taylor, de apenas sete anos de idade, exibiu espontaneamente a sua maturidade, quando decidiu escrever um livro para mostrar que as meninas negras também podem e devem se sentir também princesas. Tudo começou quando seu pai o Sr. Todd Taylor passou a chamá-la carinhosamente pelo apelido de “Princesa”. Mas, a menina questionou dizendo: que não poderia ser chamada assim, pois era uma menina negra e que não existiam princesas negras.
“Eu amo quando você me chama de princesa, mas eu sei que não sou uma de verdade… Princesas reais são brancas e eu não poderei ser uma um dia”, disse o pai em entrevista ao jornal Today. O comentário da filha acostumada a assistir a filmes e a ler livros com histórias protagonizadas por personagens de pele clara, deixou Toddy chocado, e ele foi ver até onde aquela afirmação, se equivocada ou não, se isso era verdade. Ao lado da filha, ele procurou fazer pesquisas em relação a mulheres negras lideres, princesas, mulheres vencedoras.
Foi assim que surgiu a idéia de escrever um livro. E foi assim que nasceu o Daddy’s Little Princess  “A Princesa do Papai”. “Toda menina deveria acreditar que ela pode ser uma princesa, independente da raça”, afirma Morgan. Pai e filha decidiram, então, escrever um livro a quatro mãos. Desta forma, outras crianças poderiam aprender também sobre princesas negras reais, como a Princesa Elizabeth of Toro, que foi embaixadora de Uganda, nos Estados Unidos e Peggy Bartels, Rainha de Otuam, em Gana.
“A Princesa do Papai”, que está  à venda online US$ 9,99/ R$ 33.86 e tem repercutido positivamente, segundo a dupla de autores. “Toda menina deveria acreditar que ela pode ser uma princesa, independente da raça”, declarou Morgan ao WFMY News.
Além de adorar ler, a pequena Morgan gosta também de fazer roupinhas para suas bonecas, desenhar e pintar. Ela adora dançar e cantar, mas, não se decidiu ainda o que quer ser na sua vida quando crescer. “Só sabe que quer continuar ajudando outras pessoas”, disse.
Fonte: ASCOM/Revista Òmnira
Foto: Divulgação
Mais informações »

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top