quinta-feira, 7 de setembro de 2017

A MODA AGORA É RIFAR DINHEIRO

Publicado por Roberto Leal As quinta-feira, 7 de setembro de 2017  | Sem Comentarios


Uma antiga tradição dos espertos italianos começa a ganhar novamente vida na Bahia, é uma tradicional forma de sorteio que já tem foi muito popular por aqui nos anos 80/90, a venda de rifas, o que vem virando uma febre, principalmente no Centro Histórico de Salvador, aonde a coisa vem revivendo uma moda bem antiga, onde mulheres, na sua maioria garotas novinhas e muitos homens e rapagões, na luta de vencer o desemprego e a falta de oportunidade no Mercado de Trabalho, que levam o dia para cima e para baixo, de um lado para o outro, descendo e subindo ladeiras e escadas, entrando em ruas e becos pelo Centro da Cidade do Salvador.
Seja no Pelourinho, na Praça do Terreiro de Jesus. Seja na Praça da Sé, como também na Avenida Sete e sua adjacência, como em alguns outros bairros com uma frequência muito forte, como é o caso de Baixa de Quintas e Sete Portas. São rapazes tatuados, mas do tipo despojado, de boné, de camiseta e de short  e as mulheres vestidas na maioria das vezes em shorts minúsculos, calças legs e a moda que realcem seus dotes, atributos e tatuagens, ambos já possuem cadastrados em mente uma rede de clientes e amigos, que compram o popular “bilhete” da sua rifa, que oferece como premiação: dinheiro vivo em espécie e que deixa ali a sua assinatura ou seu nome registrado. 
São na verdade rifas que na sua premiação traz o dinheiro arrecadado, que é pago como premio para o acertador da dezena oculta da rifa (foto), claro que a “banca” como chama quem é responsável pelo sorteio, leva a sua parte. E o que é mais interessante elas mostram habilidade para lidar com a situação, até tentando fazer venda para turistas e desconhecidos. Entre os clientes apostadores assíduos, estão: ambulantes, motoristas de táxi e até lojistas, e vendem também até fiado, para quitação antes do final do sorteio.

Existe a hipótese de que a primeira rifa teve sorteio em um restaurante no Sul da Itália, onde o dono estava vivendo em um péssimo momento financeiro e assim decidiu colocar 30 números em um papel (numeração de 1 a 30) e vende-los, e ao final sortear um número e ao feliz ganhador como prêmio, foi-lhe servido uma “macarronada”, que era único recurso de preparo disponível que ele tinha naquele momento. O sucesso financeiro foi tão grande, que todo ano o comerciante fazia esse tipo de sorteio e os habitantes da região aderiram muito bem ao jogo,onde as suas peças principais são um papel e uma caneta.

Texto & foto: Roberto Leal





Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top