quarta-feira, 14 de maio de 2014

Os Desafios da Nova Produção da Literatura Contemporânea

Publicado por Roberto Leal As quarta-feira, 14 de maio de 2014  | 1 Comentario



Roberto Leal e sua revista Òmnira.


Falar do novo momento da Literatura como um todo, não é tão difícil, mas será mesmo que fazer um balanço daquilo que avançou em todos os aspectos de uma Literatura que sempre foi massacrada pelo sistema, que não vê com bons olhos a proliferação do saber escrever, do saber falar, do saber dizer, do saber fazer e do saber reivindicar, além de acontecer. Até mesmo do saber protestar... As ondas de protestos que invadiram e sacudiram o nosso país, faz parte do que aponto e para onde aponto essa minha caneta. Aponto para a Literatura em forma de cultura popular, através do uso da palavra, como nas manifestações do ano passado. “Queremos Educação e Saúde, Copa não”, “Transporte de Qualidade para Todos” ou “ Violência não!”... O que vem mostrar que a palavra tem força...  Lembram-se dos caras pintadas?
O escritor mexicano recentemente falecido a 17 de abril de 2014, Gabriel Garcia Marques, escreveu:podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar”. A professora de português, Andrea De Laurentiis Ricci Peres, de São Paulo, afirma: “As palavras que são apenas faladas perdem sua “vida” no momento que as proferimos, porém quando as transportamos para o papel, elas se consolidam, assim, a escrita faz da palavra uma nova autoridade, trazendo consigo um poder intenso, que poucos têm consciência. Mesmo que as usemos a todo momento, raramente pensamos mais profundamente no que dizemos e como falamos, é preciso escrever para meditar sobre o potencial que cada palavra carrega”. 
PUBLICAÇÕES - A Literatura dissemina um novo momento, diante do grande número de novas publicações, levando em consideração o comércio promissor que se tornou hoje as pequenas tiragens de obras desconhecidas, de autores contemporâneos, que se arriscam cada vez mais na trilha de uma carreira de escritor...  Atirando-se na jaula com as ditas feras e se expondo a duras críticas, mesmo que sem um público formado, um leitor familiarizado, mas querendo ficar, querendo mostrar seus labirintos poéticos, seus mágicos momentos fictícios e suas grandes lições, da fertilização das palavras, na formação de conjuntos em formas de comunicação e razão para se construir até mesmo uma democratização com os aero grifos do futuro e das próximas civilizações.
MOVIMENTOS - Podemos citar também o grande número de movimentos e grupos literários que a cada dia invadem os espaços culturais das pequenas e grandes cidades, para que sejam lembrados pelo trabalho que exercem e não esquecidos pelo que representam para a sociedade. Não podemos esquecer nesse momento do CEPA - Círculo de Estudo Pensamento e Ação, de Salvador; do Movimento Quilombhoje de  Literatura, de São Paulo; do Brasil Sem Fronteiras, de Santa Catarina; do Belô Poético de Montes Claros, em Minas Gerais;  da Mochila Literária, no Rio Grande do Sul; como também da Revista Brasília de Reis e Souza, na Capital Federal e a Casa do Poeta Brasileiro , como tantos outros que se destacam pela sua  trajetória, pela persistência e resistência para com a existência da poesia, da prosa e da Literatura basicamente produzida, mesmo que artesanalmente as vezes, mas de qualidade reconhecida pela história de que o impresso permanecerá, enquanto que nós morreremos.
SARAUS - Os Saraus se espalham como ervas daninhas pelos bares, pelos restaurantes, salas de espetáculos e teatros, praças e ruas das maiores capitais, levando a passos lentos uma cultura acanhada mediante repressão, mediante excassez de apoio, mediante o teor da palavra censurada que ainda incomoda algozes malfeitores... Para quem não sabe “a palavra tem força, tem poder!” E essa é uma das razões pela qual somos preteridos pelo sistema, que preferem e nos quer distante dos editais, distante das portas abertas e bem distante do conhecimento... Em Salvador, a minha capital, de onde venho, não é diferente de uma reclamação unânime e nacional, mas “O Sarau da Onça” da Sussuarana bota a poesia para correr nas veias; O “Caruru dos Sete Poetas” uma tradição na cidade de Cachoeira no Recôncavo Baiano, onde se mistura a culinária do dendê e a poesia; o Sarau Bem Black, no Pelourinho-Centro Histórico, onde a musica também ecoa a cada cena poética apresentada. E como Salvador, todo o país vive hoje a febre dos Saraus...  O Sarau está na Moda ganhando a simpatia de muitos e novos adeptos. Uma inovação para acrescentar mais cultura a nossa luta, a trajetória poética contemporânea. E os Saraus pipocam por todas as partes literárias que lhes pertence às cidades, os Estados e o país, na poesia de Castro Alves a Mario Quintana, nos romances de Jorge Amado a Érico Veríssimo e na contemporaneidade de Aleilton Fonseca a Carlos Nejar...
É esse momento que eu quero retratar da nossa Literatura, um grandioso momento, quando a conscientização faz com que o escritor começe a investir em você, na proliferação da sua mensagem, na peregrinação dos seus recados, da satisfação de ter a sua ideia massificada em páginas impressas de livros, antologias, coletâneas, revistas e publicações panfletárias, com as mais diversas vertentes que surgem como portas abertas para a oportunidade de ser publicado...  Falar do sistema é apelar para que o interesse faça parte das suas pastas de incentivo, que a burocratização dos editais seja vencida por verdadeiras obras, fora das panelinhas corporativas e pareceres vendidos a estilos literários conhecidos dos jurados aproximados...
BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS - Não podemos esquecer de somar ai a contribuição das Bibliotecas Comunitárias, que cresce a cada dia o número delas pelo país afora, na nossa Capital Salvador, as bibliotecas comunitárias estão priorizando a aquisição da produção de obras de autores baianos para compor o seu acervo de consulta e de pesquisa.  As bibliotecas comunitárias se proliferam de forma acelerada e positiva, não que o sistema tenha ou esteja promovendo isso... Não é verdade! São as manifestações culturais, é na verdade essa produção independente que cresce a cada momento, em que um espetáculo literário encerra a sua jornada, um novo está surgindo e ocupando o espaço deixado e sempre algo novo está acontecendo!
 As modalidades de abordagem do público, apresenta-se como inovação, recitais performáticos, bate-papos com escritores, a mistura de poesia & música ao vivo, saraus, tarde de autógrafos e leituras públicas... Várias dessas ações são alternativas independentes que foram criadas para desburocratizar a escravidão cultural promovida pelo sistema, digo, driblar a burocratização da verba pública para a cultura, dos projetos de leis de incentivo, opções que não garante acesso aos contemporâneos! É preciso remediar batendo forte na dificuldade que é vencer um edital, quem escreve sabe o que é isso e sabe do que eu estou falando, dessa trajetória negativa para com a produção da palavra...
CONCLUSÃO - Conscientização é preciso, reconhecimento também, incentivar a produção, a criação de espaços, o apoio a entidades e bibliotecas, são esses polos que transmitirão e abrangentemente desfilará a cultura fortalecendo a educação, o conhecimento e a preservação da história do povo, dos seus costumes, folclore e lendas. Comemoro esse grande momento da Literatura apresentando para vocês a mais nova baiana/brasileira e internacional Revista Òmnira, que faço com dinheiro do meu bolso, as minhas obras literárias que edito com dinheiro do meu bolso e o meu trabalho que desenvolvo ajudando a outros companheiros onde abro as portas das minhas publicações e que as mantenho com dinheiro do meu bolso... Essa é a resposta que tenho para dar ao sistema... “As mudanças só acontecem se forem proporcionadas de verdade!”.
Escritora Zenir Izaguirre recebe título e homenagem.
Louvável esse apoio da Câmara Municipal de São Jerônimo que abriu as suas portas para que pudéssemos estar aqui, vivendo esse “nosso” momento literário, espero que outros segmentos na cidade, comecem a pensar em alimentar a força dessa palavra... Para um bom começo seria a criação de um Prêmio Literário Regional, revelando seus talentos, descobrindo novos valores, refazendo a história da cidade através das letras da terra... A cultura promissora desse pedaço Rio-Grandense nos apresenta hoje aqui a escritora Zenir Izaguirre de Carvalho, um talento descoberto por força da sua própria palavra, que transmite mensagens que somente compartilhadas mostrará a sua força, independente das suas dificuldades, em promover essas palavras e compartilhar essas mesmas idéias e poder fazer dessas mensagens uma potência em favor de mudanças... Cito alguns poetas e escritores gaúchos que são contribuição permanente a essa luta: Egiselda Charão, Joaquim Moncks, Leda Figueiró, Marilene Gil, Suely Eva dos Navegantes, Zélia Helena Dendena dentre tantos outros com quem já tive o prazer de compartilhar tantas outras ações. Deixo aqui o meu registro simbólico ao trabalho, dos escritores e professores Luiz Antonio Assis Brasil que á 30 anos dedica grande parte do seu tempo a ensinar a autores iniciantes as técnicas do ofício da escrita e do saudoso Nelson Fachinelli (falecido a 26/04/2006 – portanto fazendo 8 anos) e que muito deixou de contribuição a esse legado literário que ao povo brasileiro pertence. Esses dois têm o meu respeito e para quem “Tiro o chapéu” pelo trabalho e notória semelhança. Na verdade o que quero dizer com essa fala é que, o escritor já não depende tanto assim da mordaça que lhes impõe o sistema anti-cultural, ele agora produz esse novo momento que já não é mais nem um desafio e faz ecoar a sua força: A Palavra... E essa é a minha “Falavra”!
*Palestra ministrada na Câmara Municipal de São Jerônimo/RS, no dia 9/5/2014, às 19 horas, pelo jornalista e editor soteropolitano Roberto Leal.

Fotos: Patricia Souza (São Jerônimo/RS)



Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

Um comentário:

  1. Excelente artigo, Roberto Leal e também excelente é a Revista Òmnira. Sucesso em sua jornada.

    ResponderExcluir

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top