terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Escritora desconhecida no seu Brasil

Publicado por Roberto Leal As terça-feira, 14 de janeiro de 2014  | Sem Comentarios

Carolina é o Brasil hoje.

Carolina Maria de Jesus nasceu a 14 de março de 1914, em Sacramento/MG, cidade onde passou a sua infância e adolescência, filha de negros.  Carolina foi mãe de três filhos: João José de Jesus, José Carlos de Jesus e Vera Eunice de Jesus Lima. Faleceu em 13 de Fevereiro de 1977, com 62 anos de idade e foi sepultada no Cemitério da Vila Cipó, cerca de 40 km do centro de São Paulo. Ex-catadora de papel, Carolina foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas ao escrever uma matéria sobre a expansão da  Favela do Canindé. Com pouca escolaridade, favelada, mulher, negra e pobre, Carolina fez das obras um meio de denúncia sócio-política, fez alí a sua militância de vida.

Estudou pouco. Sua escolaridade vem de Sacramento, onde foi matriculada em 1923, No Colégio Allan Kardec, primeiro Colégio Espírita do Brasil, fundado em 31 de Janeiro de 1907, por Eurípedes Barsanulfo. Naquela época, as crianças pobres da cidade eram mantidas no Colégio através da ajuda de pessoas influentes. A benfeitora de Carolina Maria de Jesus foi à senhora Maria Leite Monteiro de Barros, pessoa para quem a mãe de Carolina trabalhava como lavadeira. No Colégio Allan Kardec Carolina estudou pouco mais de dois anos. Toda sua educação formal na leitura e escrita advém deste pouco tempo de estudos. Mesmo diante de tantas dificuldades, todas as mazelas, perdas e discriminações que sofreu, por ser negra e pobre, Carolina revela através de sua literatura a importância do testemunho como meio de denúncia sócio-política, de uma cultura hegemônica e excludente.

A sua obra mais conhecida, e que teve tiragem inicial de dez mil exemplares esgotados na primeira semana, e que já foi traduzida em 13 idiomas nos últimos 35 anos é Quarto de Despejo, publicada em 1960. Essa obra faz um resgate, ao mesmo tempo em que delata uma faceta da expansão cultural brasileira, quando do início da modernização da cidade de São Paulo e quando do começo da proliferação das  “Comunidades Carentes”, denominadas  de: favelas. Uma mostra cruel e perversa, pouco conhecida, pouco divulgada e muito enrustida, resultado da neura que as elites vivenciam em tempos de perda de hegemonia, perda de poder. Carolina Maria de Jesus também escreveu Casa de Alvenaria (1961), Pedaços de Fome (1963), Provérbios (1963) e Diário de Bitita (1982, póstumo) e a sua obra é um referencial importante para os Estudos Culturais, tanto no Brasil como no exterior.
Essa literatura é hoje as vozes subalternas oriundas dos anos 70/80. Essa é a verdadeira literatura documentária de contestação, tal como ficou conhecida e nomeada pelo jornalismo de denúncia dos anos 50-60. Pelos testemunhos narrativos, que chegam ao novo século, atravessando décadas e como sempre atuais e ganhando muita força.
Segundo pesquisas Quarto de Despejo inspirou diversas expressões artísticas como à letra do samba "Quarto de Despejo" de B. Lobo; como o texto em debate no livro "Eu te arrespondo Carolina" de Herculano Neves; como a adaptação teatral de Edy Lima; como o filme realizada pela Televisão Alemã, utilizando a própria Carolina de Jesus como protagonista do filme "Despertar de um sonho" (ainda inédito no Brasil); além dos livros: Casa de Alvenaria (1961), Pedaços de Fome (1963), Provérbios (1963) e Diário de Bitita (1982, póstumo). e, finalmente, a adaptação para a série "Caso Verdade" da Rede Globo de Televisão em 1983. Vou definir a sensibilidade solidária de uma pessoa sofrida em uma frase de Carolina: “É preciso conhecer a fome para saber descrevê-la”. E essa idéia pode ser ampliada. Para retratar a miséria e suas mazelas, é preciso tê-las vivido e Carolina viveu isso! E contou com riqueza de detalhes, como foi a sua “Via Crucis” em relatos emocionantes e com severas críticas sociais ao sistema da época.
Apesar dos três filhos de pais diferentes, Carolina não se deixava seduzir pelos homens que a procurava naquele ambiente cujos principais problemas, além da pobreza, são: a promiscuidade e a bebida. Ela afirma, em diversas passagens, que o que enobrece o ser humano, principalmente as mulheres, é o trabalho e o estudo, não o casamento. Seu coração balançava entre dois moradores da favela, Manuel e o Cigano. Confessava que embora tivesse uma simpatia maior pelo Manuel, à descrição que ela fazia do Cigano é singular e uma das mais lindas demonstrações de sentimentos que já foi encontrada na literatura brasileira. Algo inigualável encontrado em um livro, cujo teor e único propósito era retratar a miséria pela qual atravessou um ser humano. E que mesmo assim ainda teve tempo de amar!
O livro é o diário de Carolina, moradora da favela do Canindé, em São Paulo, que, nos anos 1950, cata lixo para sobreviver e, assim, poder cumprir suas únicas ambições em vida: ter o que dar de comer aos filhos e escrever. A autora do diário não apenas lê e escreve como mostra lucidez e uma visão crítica, porém poética, das condições de vida dos favelados. Carolina escreve sobre sua situação e a dos demais moradores do Canindé. O objetivo, segundo a autora, era mostrar ao mundo, de forma sensível, as condições em que viviam os favelados e o descaso dos políticos, que só se aproximam dos mesmos em época de eleição... Até os dias de hoje é assim!  Plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro segundo o poeta cubano José Martí são as três coisas para se fazer dentro de uma vida permitida e Carolina fez muito mais... “Li um pouco. Não sei dormir sem ler. Gosto de manusear um livro. O livro é a melhor invenção do homem”. Carolina era isso e muito mais!

Roberto Leal

É jornalista e escritor

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top