segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Faleceu o cantor angolano Carlos do Nascimento

Publicado por Roberto Leal As segunda-feira, 21 de outubro de 2013  | Sem Comentarios


Cantor, compositor e poeta angolano, nascido no seio d’uma família de músicos, era o irmão mais novo do célebre cantor angolano Eduardo do Nascimento. Carlitos, como era mais conhecido, fazia uma fusão de ritmos, tão variados, como o Semba de Angola, com sonoridades de terras mais distantes como o Samba, Bossa Nova e o Jazz. Entre os seus discos, posso destacar “Afrikan Harmony“, “Angolando”, “De frente pro Mar” e “Milongo em preto e branco”. Ele defendia que “O semba devia deixar-se penetrar por outros ritmos e raízes beneficiar de algumas das suas cadências”. Fala-se em Angola que ele foi criador de do estilo, “Jazz-Semba”.
Cantou o amor. Era compositor, arranjador, intérprete, cantor e poeta, com vários livros publicados, o último deles "Angolando Poesias e Canções", Éditions Lusophone/Paris-2008, que foi lançado também no Brasil, com assessoria da Editora Òmnira e que tem apresentação do jornalista Roberto Leal, seu assessor de imprensa em Salvador. Embora tivesse já mais de 30 anos de carreira musical, no estrangeiro e em Angola, Carlos do Nascimento partiu ainda novo, prematuramente, deixando já grande saudade e um lugar insubstituível na cultura angolana. Carlos João Elias Alves do Nascimento, nome artístico de Carlos Do Nascimento, que completaria 60 anos de idade no próximo dia 22 de outubro, faleceu no último dia 8, em Paris, vitimado por um câncer.
Numa mensagem de condolências endereçada à Angop, pelo Ministério da Cultura, estima-se que Carlos
do Nascimento foi um dos mais representativos cantores angolanos na diáspora, entre as décadas de 70 e 80, tendo trabalhado com Bonga, Mário Clington, Very Nice, Nelson Sabino, entre outros músicos. Segundo a mensagem, o saudoso cantor era exímio intérprete e compositor, além de guitarrista, e desempenhou também as funções de adido cultural adjunto da Casa de Angola no Brasil, em Salvador, na década de 90. “Nesta hora de luto e de dor, rendemo-nos perante a notabilidade dos seus princípios, enquanto homem de cultura, sentido patriótico e dimensão criativa e eminente criador. Desejamos paz eterna à sua alma”, concluía a mensagem assinada pelo Ministro da Cultura, Rosa Cruz e Silva.
Carlos do Nascimento começou a cantar nos coros da Igreja de Santo António, na Cuca, em Luanda, mas foi em Portugal que se assumiu como um músico profissional tendo passado por vários conjuntos. Mais tarde foi viver para a Holanda e depois fixou residência na França, onde com Bonga e Mário Clington criou o grupo “Batuque”. Morou também no Brasil, em Salvador, onde gravou partes do seu disco “De frente para o mar” (2004), que marcou igualmente o seu regresso a Angola. Em Fevereiro de 2011 lançou, pela LS Produções, o disco “Afrikan Harmony”.
O músico, compositor e intérprete deixa três discos duplos, porque segundo dizia, “os meus temas são longos e a minha música não é de consumo imediatista”. O cantor deixou um disco por finalizar, onde os seus amigos e familiares comprometeram-se a cuidar da sua edição.

Texto: Roberto Leal
Fonte: ASCOM/Editora Òmnira

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top