sexta-feira, 26 de outubro de 2012

A literatura baiana está de luto

Publicado por Roberto Leal As sexta-feira, 26 de outubro de 2012  | Sem Comentarios





Fred Souza Castro de volta ao Colegio Central da Bahia em 2008
A Bahia perdeu um dos seus maiores poetas contemporâneos, faleceu depois de sofrer um ataque cardíaco fulminante, o cineasta e também jornalista Frederico José de Souza Castro, aos 81 anos, na segunda-feira (8/10). O corpo de Fred foi sepultado no Cemitério Jardim da Saudade e contou com a presença de amigos, escritores e poetas, ele que pertencera a Geração Mapa, de onde também fizeram parte o jornalista Florisvaldo Matos, o escritor Fernando da Rocha Peres, o cineasta Glauber Rocha, e os artistas plásticos Sante Scaldaferri  e Calazans Neto; nos anos 80,  Fred pilotou a coluna “Livros” do jornal A Tarde, por onde divulgou e trabalhou a literatura de maneira a fortalecer os movimentos existentes ativamente em Salvador e na Bahia daquela época. Fred o poeta começou a disseminar sua literatura nas atividades desenvolvidas por estudantes no Colégio da Bahia, em 1956, projeto conhecido como Jogralescas, era um recital de poemas dramatizados e que empolgou também nos anos 60 e se expandiu revelando nomes da literatura baiana.

Fred nasceu em São Gonçalo dos Campos, no dia 1 de abril de 1931, mas foi criado em Santo Amaro da Purificação. Em 1957, lança seu primeiro livro de poemas “Samba de Roda”, tendo a cultura da região canavieira uma influência muito grande no seu trabalho, se tornando um grande poeta regional. Em 2008, em uma das suas últimas aparições culturais, foi homenageado pela Fundação Òmnira, que publicou os seus poemas Ay!     “Ai, que me mato/por te encontrar outra vez/como a goiaba devez/no meio do mato” e Gatos “Essa penumbra de gatos/ (noite felina em veludo)/já quase que me diz tudo/em poucos atos./E se não os praticamos/na cama que foi tão sua/eles o fazem na rua/ gatos-” na coletânea “Salvador 460 anos de Poesia“  Ed. Òmnira/BA, página 85,  uma publicação em homenagem ao aniversário da cidade, que teve lançamento no Salão Nobre do Colégio Central da Bahia, que  além da presença do próprio Fred Souza Castro e autores, tiveram entre os  presentes  personalidades como: Clarindo Silva, Germano Machado, Almir Oliveira, dentre tantos outros ex-alunos da casa que fizeram questão de aparecer.

Antes de falecer Fred havia pedido ao amigo Fernando da Rocha Perez que apresentasse o seu próximo livro de poemas, ainda sem titulo e desconhecido do público baiano; notas dão conta de que o livro será publicado através de edital da Secretaria de Cultura do Estado.

O contemporâneo Germano Machado disse em tom de despedida. “Acostumei-me, naqueles anos 80 a ler o que, em A Tarde, Frederico escrevia. Sentimos muito. Que nesta hora, além do espaço e do tempo, seu espírito abraçará e será abraçado pelo Deus da Vida. Embora, não tendo uma crença religiosa definida, o que vale para Deus é ser correto, bom, ter coração aberto. E ele o teve”. Sobre SAMBA DE RODA, de Fred Souza Castro escreveu em artigo... “Poesia autêntica porque fecunda; real, porque revela o íntimo do povo; valiosa, porque continua o caminho da poética social de Castro Alves. Não vai, nesta última afirmativa, um elogio à pessoa do autor e nem revela bajulação banal de escriba provinciano... Castro Alves, homem de sua época, entranhado na terra o seu canto que revela o espirito da gente, gritou na sua poesia contra a escravidão, contra o estado de miséria de uma raça, clamou por liberdade e batalhou contra a prepotência... Frederico reencena a mesma luta, já agora contra o feudalismo dos "fazendeiros de asfalto", contra os que exploram a massa trabalhadora dos canaviais, revelando o drama daquela gente...”.

Roberto Leal
Jornalista

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top