terça-feira, 31 de maio de 2011

O poeta Castro Alves

Publicado por Roberto Leal As terça-feira, 31 de maio de 2011  | Sem Comentarios

Ilustração: Henry Jaepelt
Os brasileiros de hoje deveriam não comemorar só o dia 14 de março, dia internacional da poesia, nascimento do poeta Castro Alves, como também sua morte no próximo dia 6 de julho, dia do seu passamento, como também tomar conhecimento do que, normalmente, ele significou. Morrendo aos 24 anos do mal do século XIX- a tuberculose -, a temática que abordou indica participação e atualidade... Primeiro, contra as monarquias, pois estavam autoritárias, sem Constituição, ou sem a sua aplicação, e o ideal politico do liberalismo indicava a República e, assim, Castro Alves adotou os ideais republicanos. Segundo, Castro Alves, mais que todos os românticos e políticos nacionais, lutou pela liberdade dos escravos.
Seus poemas, como Navio Negreiro e outros, não têm comparação com nenhum dos poetas brasileiros, inclusive Fagundes Varela, ao qual Castro Alves considerava o grande poeta dessa época. Lembrar que, com tão poucos anos de vida, Castro Alves, além de latim, falava, escrevia e traduzia francês, tendo ainda visão generalizada da língua inglesa, assim como da italiana e espanhola... Se não era um poliglota, tinha ao menos conhecimento da estrutura de varias línguas. Traduzia e adaptava Victor Hugo, Lamartine, Henry Murger, D. Guilhermo Gana, Musset, Espronceda e semelhantes, com os pulmões furados, boêmio, tendo perdido por infeliz acaso o pé esquerdo (tiro próprio inesperado), demonstrava a grandeza intelectiva, o talento e mesmo a genialidade do poeta. Sua genialidade não vem, evidentemente, de ter conhecido línguas e feito traduções, mas de sua  inspiração e intuição em um século de puro racionalismo.
Seus versos é que são geniais, o tom, pathos, sem se falar que varias de suas poesias foram cantadas, é ouvir cantar Andréa Daltro e que ele cantava, colocou a modinha em alto estilo na poesia nacional. Teatrólogo, sua maior amante, a portuguesa e mulher de teatro Eugênia Câmara, levou a fazer publico, em Recife, Salvador e São Paulo, o seu drama o Gonzaga. Pintava, desenhava, conhecia musica. Chegar a tanto aos 24 anos é simplesmente notável. A temática negra, em trabalhos fora do comum, em qualquer país que então tratou da negritude, Vozes d’África, poemas fotográficos sobre a vida do negro e seu sofrimento, sua existencialidade brasileira, ultrapassam elogios.
Pedro Calmon e Afrânio Peixoto deixaram livros definitivos sobre Castro Alves que as novas gerações deveriam ler, estudar, analisar e ver as dimensões “castroalvinas”. Castro Alves, mais um detalhe: era poeta ecológico, sem esse nome poeta amante da natureza, um penenteísta em filosofia (Deus em tudo e tudo em Deus).

Roberto Leal
*Artigo publicado no Diário da Tarde, página 2, Opinião – sexta-feira 16/03/2001, BH/MG.

Arquivado Em :
Sobre o autor

Escreva a descrição de administração aqui ..

0 comentários:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-
© 2013 Revista Òmnira. Traduzido Por: Template Para Blogspot. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9
Blogger template. Roberto Leal by Blogger.
back to top